Review: Supernatural e seu grande final de temporada
Melhora absurda nos roteirosTotal integração entre mais personagensFim de temporada com real solução para a situação
Alguns episódios para encher linguiça
9NOTA
Votação do Leitor 3 Votos
8.0

Um pouco de Supernatural…

Então, meus caros leitores, primeiramente, gostaria de lhes falar que isto é mais que um simples artigo de como foi o fim e pronto. Isto aqui é o relato de um fã que acompanhou a jornada dos irmãos Winchesters por exatos onze anos. Sim incríveis onze anos.

O confronto foi espetacular, série tem uma trama muito em diálogos então não espere efeitos especiais como Deuses lutando e destruindo continentes, espere algo mais profundo.

Quando fica assim o que podemos dizer? Afinal estamos falando dos personagens que entraram em nossas vidas, dos quais sentimos as angústias e felicidades dos mesmos. Quem aqui acompanhava a série que não ficou triste várias vezes nos grandes momentos de Sam e Dean? Quando o Dean voltou no passado e conheceu seus pais, (uma verdadeira homenagem a “De Volta para o Futuro”) ou como quando o Sam formou uma família.

Quem não vibrou quando Sam estava para ser possuído por Lúcifer, ou quando Dean voltou dos mortos com uma  marca de mão no ombro, momento exato que surgiu o carismático Castiel, outro personagem que ficou tão essencial quanto os Winchesters. E quem diria que um vilão seria tão querido como Crowley, personagem que é o verdadeiro ame ou odeie.

Supernatural, teve queda em algumas temporadas (se é que pode chamar de queda mesmo sendo um dos líderes de audiência), fazendo com que fãs deixassem de assistir, mas que logo retornariam para ver sua alta novamente. A série quando aparentava estar desgastada sem mais idéias, logo era renovada, que se não superava a anterior ao menos igualava. Isso sem perder humor, episódios incríveis que homenagearam filmes, outros seriados, personagens, músicas.

Nossa, como falar da série sem mencionar as músicas, com certeza de longe a série com melhor trilha sonora de todos os tempos, um bom gosto sem igual e sempre com músicas bem encaixadas para cada situação. Destaque para Carry On da magnífica banda Kansas. Momento memorável Dean no pós crédito já como o ator Jensen Ackles fez um playback da icônica música Eyes of Tiger, que foi um sucesso viral absurdo na internet.

misha-collins-castiel-supernatural-mosqueteiros

Em geral o elenco da série sempre foi muito carismático, e vale lembrar que o ator do personagem Castiel, Micha Collins esteve na Comic Com Experience aqui no Brasil na edição de 2015,(assista o vídeo dos Mosqueteiros Cyber na Comic Con) e foi um sucesso. Muito carismático, podemos dizer que foi ele mesmo, fez o jabá da série e o mais importante, foi o máximo com os fãs. Alguém esperava menos?

Spoilers – Season Finale 2016

Depois de massagear a memória sobre como a série é bacana, vamos ao fim de temporada que com certeza foi um dos mais marcantes, pois teve uma participação especial realmente “divina” ao pé da letra, o todo poderoso Deus.

Se existia telespectadores desanimados com a série após meia década isso foi bruscamente mudado pelo menos nas três últimas temporadas. Alianças com inimigos, adversários poderosos, anjos caindo, a marca de Cain, protagonistas se tornando demônios e etc. Todas as reviravoltas somaram em resultados surpreendentes como o de Dean matando o Anjo da Morte, e libertando a Escuridão, que nada mais nada menos é a irmã de Deus. A presença dela levaria tudo ao fim, exigindo a presença da única entidade que poderia fazer algo, e que, sinceramente, era a única que faltava aparecer, o todo Poderoso Deus.

Em uma forma franzina, bem descontraída e adorando música caipira (nesta série vocês esperava que fosse de outro jeito?) Deus se revela como um personagem já conhecido de todos, o profeta Chucky  (ator convidado Rob Benedict). Então com a ajuda de Deus os Winchesters reúnem quem pode ajudar, como Lúcifer possuindo o corpo de Castiel, Crowley nosso demônio favorito e sua mãe bruxa. Todos com a intenção de combater a escuridão que estava encarnada em uma forma humana chamada de Amara (atriz convidada Emily Swallows).

O resultado com certeza foi um dos mais surpreendentes  já feito na série, o capitulo foi escrito por Andrew Dabb e dirigido por Phil Sgriccia e alcançou em sua exibição americana os pontos (contados em milhões) de simples 1.92.

O confronto foi espetacular, série tem uma trama muito em diálogos então não espere efeitos especiais como Deuses lutando e destruindo continentes, espere algo mais profundo. Com isso foi o suficiente para a série se consagrar como uma das melhores nos últimos anos merecendo estar qualquer ranking de audiência que sempre a inclui como uma das melhores.  E uma coisa inédita foi feita neste fim de temporada, sempre no último episódio o desfecho fica para o primeiro episódio da temporada seguinte. Não desta vez, a situação foi decidida, e os últimos minutos ficaram para o próximo desafio dos Irmãos Winchesters, que ao que parece são os próprios Homens das Letras.

Supernatural se mostrou muito madura e de certa forma evoluiu e muito nos últimos anos, os personagens não agem como Galhofas e são muito consistentes. O carisma de todos ajuda muito na audiência e esperamos que consiga-se manter com dignidade até o fim.

E o que estão esperando? Nunca viram a série ou pararam no caminho? Vai lá e recomeça não perca tempo!

  • Adriano José Gonçalves

    Uma das melhores temporadas!!!